Documento sem título
Você está em
Home > Destaques > Setembro amarelo: mês dedicado à luta pela prevenção ao suicídio e a preservação da vida

Setembro amarelo: mês dedicado à luta pela prevenção ao suicídio e a preservação da vida

 

Andréa Chaves, psicóloga e especialista em saúde mental fala da importância de discutir sobre o tema com frequência

O mês de setembro foi escolhido para conscientizar a população para a prevenção do suicídio e a preservação da vida. Durante todo o mês, entidades de todo o mundo vão estampar luzes amarelas, um símbolo do setembro amarelo, campanha que surgiu em 2003, depois que um jovem estadunidense cometeu suicídio.

O caso tornou-se famoso mundialmente, assim como a campanha, que chegou ao Brasil em 2015, graças ao Centro de Valorização da Vida (CVV), o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Para Andréa Chaves, psicóloga especialista em saúde mental, é de fundamental importância debater sobre o suicídio e a saúde mental.

“Assim geramos um processo de clarificação, onde as pessoas com acesso à informação podem buscar o conhecimento que precisam e desmistificar os mitos acerca do tema, aqueles famosos ditos populares ‘ah isso é frescura’, é coisa de gente fraca’ e ainda ‘é coisa do diabo”, destaca.

Um estudo recente, realizado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e publicado na Revista Brasileira de Psiquiatria, revelou que o Brasil está na contramão do resto do mundo quando o assunto é suicídio.

Conforme o levantamento de 2006 a 2015 houve um aumento de 24% nos casos de suicídio entre jovens brasileiros, dos 10 aos 19 anos. Em contrapartida, o crescimento foi de apenas 17% ao redor do mundo.

Depressão X suicídio
Andréa lembra que um dos maiores problemas da saúde mental é a depressão. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a quantidade de depressivos aumentou em 18% nos últimos dez anos e até 2020 esta será a doença mais incapacitante do mundo.

Segundo a especialista, os sinais psíquicos mais comuns são: humor depressivo (rebaixamento afetivo), redução da capacidade de experimentar prazer na maior parte das atividades, antes consideradas como agradáveis, fadiga ou sensação de perda de energia e diminuição da capacidade de pensar, de se concentrar ou de tomar decisões.

Além é claro dos sintomas fisiológicos, como alterações no sono, apetite e libido. “Há ainda mudanças de comportamento, como o retraimento social, crises de choro, comportamentos suicidas e retardo ou agitação psicomotora”, aponta.

Ela complementa que frente a todos estes sintomas, a depressão causa o isolamento social e coloca o indivíduo como vulnerável a padrões de julgamento muito comuns em nossa sociedade “falta de fé” “falta de atitude” ” obrigação de reagir” etc. ” Isso piora e muito os sintomas e agrava o quadro”, destaca. Inhambupenoticias: Falar com Reinaldo Silva Radialista DRT.8217/BA – whatsApp (71) 9-9912 9161
e-mail: reinaldosilva95fmalagoinhas@gmail.com. Baixe nosso aplicativo no play store do seu celular 95, FM de Alagoinhas, Ouro Negro FM 100,5 de Catu Ba. Baixe Agora No Play store do seu Celular, Ouça Nossa Programação ao Vivo Pelo RadiosNet

Deixe uma resposta

Top